Destinos Internacionais

11 Atrações Imperdíveis para Ver em Florença

24 de setembro de 2018

UM POUCO SOBRE FLORENÇA

Florença é, indiscutivelmente, uma das cidades mais lindas, maravilhosas, incríveis da Itália (do mundo, quem sabe?), um verdadeiro museu a céu aberto! Ok, já deu pra perceber que eu amo essa cidade né? Cada canto do centro histórico da cidade tem belas praças, prédios antigos e esculturas espalhadas por todos os lugares. Além de ser a cidade natal de Dante Alighieri, autor da Divina Comédia, é nada mais, nada menos, que o berço do Renascimento Italiano. Aqui, eu separei as atrações imperdíveis para quem vai pra lá pela primeira vez.

1. MUSEO NAZIONALE DEL BARGELLO

A construção do museu começou em 1255 e depois de quase um século de obras, destroços e reformas, adotou seu aspecto atual no século XIV. No início, o Palácio Bargello era residência ducal e sede do governo de Florença. Desde 1574 até o século XIX, serviu como prisão da cidade e como residência do capitão de polícia (il Bargello). No pátio do museu aconteceram execuções até o final do século XVIII.

O museu abriu suas portas em 1865 e reúne a maior coleção de esculturas italianas dos séculos XIV ao XVI, assim como armas e armaduras, medalhas dos Médici e vários trabalhos de bronze e marfim. É o maior núcleo de obras de Donatello, entre elas o São Jorge e David em bronze, obras que marcaram o início do Renascimento. Além de obras de Michelangelo (algumas inacabadas), Lucca della Robbia, Brunelleschi, Ghiberti, entre outros. A visita dura entre uma e uma hora e meia.

2. PALAZZO VECCHIO E PIAZZA DELLA SIGNORIA

A Praça da Senhoria situada entre a Piazza del Duomo e o Rio Arno, é a praça mais importante de Florença por sempre estar muito unida ao poder civil. Também é um dos lugares mais animados da cidade durante todo o ano, cheio de turistas e moradores que ficam por lá para escutar artistas locais que usam a praça como seu palco particular. Lá estão alguns monumentos importantes da cidade como: Palazzo Vecchio, Loggia dei Lanzi, Fonte de Netuno, Estátua de Cosimo I, entre outros.

O Palazzo Vecchio (ou Palácio Velho) é o primeiro prédio que atrai a atenção dos visitantes que vão pela primeira vez na praça, sua forma de castelo e sua torre são um dos símbolos da cidade. O palácio terminou de ser construído em 1314 para ser residência e trabalho dos funcionários da república. Seu primeiro nome era Palazzo della Signoria, depois acabou virando Palazzo Vecchio quando os Medici se mudaram para o Palazzo Pitti. Na entrada do palácio tem duas grandes estátuas: na esquerda a cópia do David de Michelangelo (a original foi para a Galleria dell’Accademia) e na direita Hércules e Caco (Baccio Bandinelli).

Dentro do Palazzo Vecchio, uma das primeiras salas que você verá é o Salone dei Cinquecento. Uma sala gigante (de 54 metros de comprimento, 22 de largura e 17 de altura) rica de afrescos de Vasari que retratam a história de Florença, com grande ênfase em Cosimo I. Antigamente era ali que funcionava a Câmara do Conselho de Florença, onde se reuniam os 500 membros (nome do salão). Você pode subir na torre, que tem 94 metros de altura, conhecida principalmente por ter sido utilizado como local de cativeiro de Cosimo, o Velho, condenado ao exílio.

Palazzo Vecchio

3. PONTE VECCHIO

A Ponte Vecchio (Ponte Velha) foi construída em 1345, sendo assim a ponte de pedra mais antiga da Europa. Vou resumir a história dessa ponte pois se for contar a história em detalhes precisaria de um post inteiro! Então, vamos lá: entre os séculos XV e XVI, suas casas suspensas foram ocupadas por açougueiros, porém quando Fernando de’ Medici se mudou para o Palazzo Pitti, os açougues foram retirados por causa do cheiro desagradável e deram espaço para as joalherias que lá estão até hoje. Interessante notar que a ponte foi uma das únicas a sobreviver a Segunda Guerra Mundial.

4. BASILICA DI SANTA CROCE

A construção, de 115 metros de comprimento e 38 metros de largura, da igreja franciscana começou em 1294 e depois foi ampliada por Arnolfo di Cambio. A igreja é quase um Panteão fiorentino, porque tem quase 300 tumbas lá dentro. Michelangelo, Maquiavel, Galileu Galilei e Ghiberti são algumas das personalidades que estão enterradas lá. O interior não chama muita atenção, porém em suas capelas há afrescos de artistas como Giotto, Brunelleschi e Donatello.

Ponte Vecchio

5. PIAZZA DEL DUOMO

É nesta praça que estão os principais pontos turísticos da cidade, pois engloba o Batistério São João Batista, a Basílica de Santa Maria del Fiore, o Campanário de Giotto e atrás da basílica está o Museo dell’Opera del Duomo. Aqui também pode ser o local perfeito para você tomar um café. E falando em café, você já leu nosso post sobre como pedir café na Itália?

A Basílica de Santa Maria del Fiore levou 140 anos para ser construída, contando com grandes arquitetos italianos como Arnolfo di Cambio (projeto), Francesco Talenti (assumiu a construção após a morte de Cambio) e Brunelleschi (cúpula). O Duomo foi inaugurado em 1421, mas sua fachada foi construída séculos mais tarde, por isso tem um estilo arquitetônico tão diferente do seu interior. O nome da basílica se refere ao lírio, símbolo de Florença. Ela é famosa por sua cúpula de Brunelleschi e pelo seu campanário de Giotto, é uma das obras da arte gótica renascentista italiana e de suma importância para a história da Arquitetura.

Em frente a fachada da catedral, está o Battistero di San Giovanni, considerado o edifício mais antigo da Piazza del Duomo. No interior, há um mosaico bizantino da cúpula e suas cores douradas lembram (muito) as da Basílica de São Marcos em Veneza. Além disso, é onde está a tumba, desenhada por Donatello e Michelozzo Michelozzi, de João XXIII (o antipapa). O Batistério é famoso pelas suas três portas de bronze onde são reproduzidas cenas da vida de São João Batista e da Bíblia. Uma delas é chamada de “A Porta do Paraíso”, feita por Ghiberti que dedicou 26 anos de sua vida para fazer a porta. Ela é composta de 10 painéis de bronze com relevos que representam cenas do Antigo Testamento. Lá fora estão as cópias dos originais, pois, em 1990, esses foram protegidos das condições meteorológicas no Museo dell’Opera del Duomo.

O Campanile di Giotto é considerado um dos mais bonitos da Itália, possui um revestimento de mármore branco, verde e vermelho similar ao Duomo. Sua construção começou em 1334, de acordo com os planos de Giotto que não chegou a ver sua obra finalizada. Depois de sua morte, Andrea Pisano finalizou a obra em 1359. O Campanário tem 414 degraus, mas a subida é razoavelmente fácil. Dica: suba apenas se você tem condições de subir tanto aqui quanto a Cúpula de Brunelleschi.

Como falar de todas essas obras e não falar do Museo dell’Opera del Duomo? Ele está localizado em um antigo palácio, onde trabalharam artistas como Donatello e Brunelleschi. Além disso, foi o atelier de Michelangelo enquanto ele fazia David. No museu são exibidas algumas ferramentas de construção originais e várias maquetes da fachada da catedral e da cúpula. Além de conter muitas das esculturas e peças originais da Catedral, do Battistero e do Campanile. Vou citar três das mais interessantes: a Pietà Bandini (Michelangelo), Maria Madalena (Donatello) (pra mim uma das esculturas mais lindas que já vi) e A Porta do Paraíso (Ghiberti).

Falei bastante né? Para visitar todos esses lugares da Piazza del Duomo, você deve comprar o ingresso antecipadamente pelo site oficial ou na hora dentro do Museu do Duomo. Com esse ingresso, você tem direito a visitar todos os monumentos durante 72h após o primeiro uso e cada local pode ser acessado apenas uma vez. Quanto à subida na cúpula do Duomo, você deve agendar o horário.

Duomo di Firenze - Santa Maria del Fiore

6. PALAZZO PITTI

Inicialmente construído em 1458 para ser uma das residências do banqueiro Luca Pitti (inimigo dos Medici), posteriormente foi comprado pela família Medici. Foi residência real de três dinastias e hoje é um museu. No primeiro andar, obras de Filippo Lippi, Caravaggio, Tiziano, Rafael, entre outros e os apartamentos reais. Além do interior, o Palazzo Pitti abriga os Jardins de Boboli (Giardino Boboli), com 45 mil metros de extensão (além de gigante é maravilhoso!). No total são cinco museus:

  • Galleria Palatina: onde fica a maior quantidade de pinturas de Rafael em um único museu no mundo.
  • Museo degli Argenti: coleção de joias e artigos preciosos colecionados pelos Medici e, depois, pela dinastia dos Lorena.
  • Galeria de Arte Moderna: apresenta obras dos Macchiaioli e obras de renomados escultores e pintores dos séculos XVIII, XIX e início do século XX.
  • Museo della Porcellana: apesar de pequeno, apresenta preciosas peças feitas, principalmente, na Itália e na Alemanha e está situado nos jardins.
  • Museo del Costume: museu de moda, cujas peças são trocadas a cada dois anos.

7. BASILICA DI SAN LORENZO

De todas as construções religiosas de Florença, nenhuma é documentada antes da Basílica de São Lourenço. Sua primeira construção é datada em 393, consagrada por Santo Ambrósio, bispo de Milão, e serviu como catedral da cidade antes de Santa Reparata (atualmente Basilica di Santa Maria del Fiore). Em 1418, os Medici decidiram reconstruí-la e o responsável pelo projeto foi Filippo Brunelleschi (ele mesmo, o da cúpula!). No século seguinte, Michelangelo foi contratado para construir a Nova Sacristia e a Biblioteca Laurentina (você pode visitar, se quiser) e para projetar a fachada que nunca chegou a ser construída. Como você pode perceber, a história da construção desta igreja está inteiramente ligada à família Medici, que pagou pela maioria das obras de arte que estão lá dentro. Os dois púlpitos de bronze são grandes obras do estilo tardio de Donatello (obras terminadas por seus assistentes Bertoldo e Bellano), retratando cenas do Novo Testamento. O monumento funerário a Piero e Giovanni de’ Medici (filhos de Cosimo il Vecchio) foi encomendado a partir de Verrocchio em 1472, por Lorenzo – O Magnífico e seu irmão Giuliano.

Se você for na parte da Biblioteca, tem também a Sala do Tesouro que fica na cripta da Basílica, onde é possível ver o local onde Cosimo il Vecchio foi enterrado, bem na coluna principal, mostrando sua importância como base da sociedade fiorentina na época. No mesmo local, fica a sepultura de Donatello.

Palazzo Pitti visto dos Jardins Boboli

8. GALLERIA DEGLI UFFIZI

Meu lugar favorito no mundo, se eu pudesse moraria dentro desse museu! O museu mais famoso de Florença e um dos mais importantes do mundo! Vou contar um pouco sobre a história dele pra vocês. O prédio foi construído por Giorgio Vasari entre 1560 e 1580 a pedidos de Cosimo I de’ Medici com o objetivo de abrigar os seus escritórios administrativos (uffizi = escritório). Ao longo dos anos novas alas foram anexadas e o projeto foi terminado quando Vasari acrescentou um corredor (Corridoio Vasariano ou Corredor de Vasari) que liga a Galleria com o Palazzo Pitti, a, então, nova residência da família Medici.

Depois do declínio da família Medici, as obras de arte passaram a ser da cidade de Florença e em 1765 foi aberto ao público, se tornando um dos mais antigos e famosos museus do mundo. Hoje são três andares de museu, no térreo estão a bilheteria, sanitários, guarda-volumes, áudio-guia, informações, souvenirs e caixa eletrônico. Subindo a escadaria (para quem tem dificuldade de locomoção tem elevadores disponíveis), você inicia a visita começando pelo segundo andar e depois descendo para o primeiro, que é onde fica a saída. São mais de 100 salas, algumas dedicadas aos maiores artistas do renascimento italiano, como Leonardo da Vinci e Rafael Sanzio. Outras com arte gótica, arte clássica da Roma Antiga, mapas geográficos, quadros de Botticelli (Primavera e O Nascimento de Vênus), Michelangelo, Tiziano, entre outros. Aqui, eu passaria uma vida inteira, mas sei que não é possível… então no mínimo umas duas horas!

9. GALLERIA DELL’ACCADEMIA

É o segundo museu mais visitado de Florença, foi aberto em 1794 para oferecer material de estudo aos alunos de belas artes. A Galleria é famosa principalmente por ter o David (1501), símbolo de Florença e obra de Michelangelo que antes ficava em frente ao Palazzo Vecchio na Piazza della Signoria e depois, em 1873, foi levada para dentro do museu para proteger a estátua dos fenômenos meteorológicos. Além de David, a Galeria da Academia ainda apresenta as “Prisioneiras”, esculturas de Michelangelo que foram colocadas originalmente nos Jardins Boboli, no Palazzo Pitti.

10. PIAZZALE MICHELANGELO

A Praça Michelangelo é um dos melhores (e mais fáceis de acessar) mirantes de Florença. Lá do alto você consegue ver toda a cidade! Além de uma réplica do David de Michelangelo, na praça tem restaurantes e cafeterias onde você pode comprar um sorvete ou algo para beber e comer. Para chegar lá você pode pegar o ônibus 12 ou 13 na margem sul do rio Arno ou pode subir caminhando também (acho que dá mais ou menos 20 minutos da Ponte Vecchio). A melhor hora para tirar fotos é perto do meio-dia, mas ao entardecer tem um pôr do sol muito lindo!

11. MERCATO CENTRALE DI SAN LORENZO

O Mercado Central de São Lourenço é um edifício de dois andares construído em 1874 por Giuseppe Mengoni e está bem pertinho da Basilica di San Lorenzo em uma praça onde fica o Mercato di San Lorenzo (vários camelôs). Hoje, no segundo andar, fica uma “praça de alimentação” apenas com produtos típicos da Itália e, principalmente, de Florença. Tem diversas opções, como pizzaria, restaurantes de massas frescas caseiras, tábua de frios e sanduíches (panini) com salames, presuntos e queijos típicos, um outro lugar que só faz os fritti (um street food italiano) e o tradicional lampredotto (sanduíche típico fiorentino feito com o intestino do boi) e sorveterias. Já no térreo é onde realmente acontece a feira de verdade.

Espero que você tenha gostado. Até a próxima viagem!

Observação importante: todas as fotos foram tiradas por mim 🙂 

Você também pode gostar de…

Sem comentários

Deixe o seu comentário

Powered by themekiller.com anime4online.com animextoon.com apk4phone.com tengag.com moviekillers.com